Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




Ford Belina II

Ford Belina II

Única perua da Ford na década de 70, a linha Belina recebeu um banho de atualidade em 1978, quando passou a ser denominada Belina II: ela incorporava as principais alterações da linha Corcel, com linhas retas e angulosas capazes de disfarçar um projeto prestes a completar dez anos. A bem da verdade, a Belina II mantinha a robustez e economia de sua antecessora, em um pacote mais funcional e atraente.

Sua grande área envidraçada permitia ótima visibilidade e o porta-malas (até o teto) chegava a 768 litros, só 6 litros menor que o da rival Chevrolet Caravan. Reforços estruturais deixavam o monobloco mais seguro e a lista de itens de segurança incluía pneus radiais, para-brisa laminado e coluna de direção retrátil. Um dos segredos do baixo consumo estava na aerodinâmica: suas linhas foram desenvolvidas em túnel de vento, diminuindo o coeficiente de arrasto. Ela continuou sendo explorada nos anos seguintes, com defletores que diminuiam a turbulên- cia sobre diversos componentes mecânicos. Uma ventoinha com embreagem eletromagnética automática, oferecida como opcional, ajudava a poupar preciosos 4 cv. As versões eram a L, mais simples, e a LDO, luxuosa, mas o acabamento era esmerado em ambas, com materiais de qualidade e arremates bem feitos.

Também comum era a aeração interna de grande vazão, que renovava o ar ambiente de forma constante, evitando a sonolência do motorista. A suspensão entregava a idade do projeto, com braços sobrepostos na dianteira e eixo rígido na traseira.

O rodar era macio, tipicamente americano, e o comportamento no limite da aderência era subesterçante, de fácil correção. Mesmo sem assistência, a direção da perua era leve e precisa e as frenagens de emergência não provocavam desvios de trajetória. Idealizada para ser econômica, espaçosa e confortável, era difícil encontrar alguma esportividade na Belina II. O excelente isolamento acústico suprimia o som do pequeno motor 1.4, capaz de percorrer mais de 12 km com apenas 1 litro de gasolina.

O desempenho não impressionava: máxima de 133,8 km/h e 21,5 segundos para atingir 100 km/h. No ano seguinte, surgiu o 1.6, com carburador de corpo duplo e ignição eletrônica. O aumento no consumo era desprezível, mas ganhava-se 10 km/h na velocidade final e o 0 a 100 km/h levava 18 segundos. Depois veio o câmbio de cinco marchas, que a colocava num patamar superior ao da VW Variant II e mais atraente que as Caravan mais simples. O tanque de 63 litros garantia autonomia de 750 km, indispensável numa época de postos fechados.

A Belina II perdeu o reinado só em 1982, quando nasceu a Parati, menor, mais ágil e potente. Nem a versão a álcool foi capaz de resistir ao apelo jovem da perua da VW. A Belina ainda recebeu discretas melhorias em 1984, nas versões L e GL.

O motor passou a ser o CHT do Escort, com câmaras de combustão de alta turbulência para melhor desempenho e consumo, que chegava aos 13 km/l. É desse ano a Belina II das fotos, que pertence ao engenheiro Luis Vital Vianna. Filho de um ex-empregado da Ford, Vianna acompanha o histórico do carro desde zero- quilômetro: "Meu pai trabalhou na Ford de 1970 a 1986 e essa Belina foi comprada por um colega dele em 1983.Veio para a família em 1999 e foi restaurada aos poucos até 2011. Agora só falta o rádio Philco original", diz ele, orgulhoso de sua Belina.

TESTE QUATRO RODAS - Setembro de 1985

Aceleração 0 a 100km/h: 18,25 s
Velocidade maxima: 148,15 km/h
Frenagem 80km/h a 0: 32,82 m
Consumo: 10,1 km/l (médio), 8,2 km/l (cidade) e 12,05 km/l (estrada, vazio)

PREÇO

Novembro de 1985: Cr$ 69 180 000
Atualizado: R$ 63 200 (INPC, iBGE)

 

 

FICHA TÉCNICA

Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1 555 cm3, carburador de corpo duplo
Diâmetro x curso: 76,9 x 83,5 mm
Taxa de compressão: 12.1:1
Potência: Potência:73 cv (ABNT) a 5 200 rpm
Torque: 11,9 mkgf a 3 600 rpm
Câmbio: manual de 5 marchas, tracao dianteira
Dimenssões: comprimento, 452 cm; largura, 166 cm; altura, 135 cm; entre-eixos, 243,8 cm
Peso: 1046 kg
Porta-malas/caçamba: {portamalas}
Suspensão dianteira: independente, bracos triangulares inferiores e superiores simples, molas helicoidais.
Suspensão traseira: eixo rigido, barra estabilizadora, molas helicoidais
Freios: {freios}
Pneus: 185/70 SR 13 radiais

Publicado em: 5/8/2012
Fonte: Revista Quatro Rodas

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

773





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Dodge, Polara Gl, 1981, Marrom Calcutá
Lote de Peças
Chevrolet, Monza, SLE Sedan, 1986, Cinza
Mercedes Benz, 560 Sl, 1988, Vermelha

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Empresas Apoiadoras
Logos dos Apoiadores