Conhea a Associo Clube do Carro Antigo do BrasilLogin




A Vingança dos Carrinhos: Importados Antigos Cativam Americanos

A Vingança dos Carrinhos: Importados Antigos Cativam Americanos

O Toyota Celica é um dos carros que fazem colecionadores americanos gastar até centenas de milhares de dólares para ter o seu próprio japonês antigo

Quando carros e caminhões japoneses começaram a chegar aos Estados Unidos durante os anos 1970, a maioria das pessoas os considerava descartáveis. Confiáveis? Talvez. Clássicos do futuro? Era pouco provável. Mas, durante a última década, os modelos econômicos dos anos 70 e 80 ganharam espaço entre uma geração de entusiastas que passaram a infância em seus bancos de trás.

"Para muitos como eu, isso é nostálgico", afirmou Jun Imai, 36, designer de miniaturas da divisão Hot Wheels da Mattel, onde foi responsável pela elaboração dos moldes de fundição de dois modelos clássicos da Nissan, da década de 1970, lançados em 2011.

"Eu gosto demais de carros como esses. Seu design, o som de seus motores, a forma como se comportam nas ruas", contou Imai. "Eles são tão diferentes, e, ao mesmo tempo, não são caros. É fácil conseguir um deles."

Imai vive no sul da Califórnia e é proprietário de um furgão Datsun 510 fabricado em 1971 e de uma caminhonete Datsun de 1972. As formas peculiares, seu tamanho diminuto e a grande quantidade de acessórios cromados são características típicas dos carros japoneses daquele período.

Yorgo Tloupas, cofundador e diretor criativo da revista Intersection, publicada em Paris, é proprietário de um Honda Prelude fabricado em 1981.

"Para mim, eles não se parecem com nenhum outro carro. Eu adoro isso", afirmou Tloupas. "Quando vi um Honda 600 pela primeira vez, decidi que teria um", afirmou Yorgo sobre o minúsculo sedan de dois cilindros que estava entre os primeiros carros japoneses enviados para os Estados Unidos.


Honda 600 1965

A ideia logo virou moda. Terry Yamaguchi, 39, e seu marido, Koji, 41, são proprietários de um Toyota Celica cupê fabricado em 1972 e de um Celica Liftback de 1977. Em 2005, eles organizam um encontro informal com outros entusiastas em Long Beach, Califórnia. Mais de 200 carros apareceram e, no ano seguinte, eles criaram um evento oficial: a Exibição de Carros Clássicos Japoneses, atualmente em sua sétima edição e atraindo cerca de 350 carros.


Toyota Célica 1970


Celica Liftback 1977

"Nós não iríamos continuar com os encontros" contou Terry Yamaguchi. "Eles custam caro e nós não tínhamos patrocinadores. Nós os organizamos para nos divertir, mas as pessoas ficaram muito animadas."

Os japoneses criaram um termo para designar a recente moda dos carros antigos. Eles são chamados de automóveis nostálgicos, contou Benjamin Hsu, cofundador do Japanese Nostalgic Car, uma revista e um site publicados em Diamond Bar, na Califórnia.

"Os japoneses gostam de se apropriar de termos como nostálgico e utilizá-los com um sentido um pouco diferente", afirmou Hsu. Ainda assim, esse nome é apropriado. Aparentemente, os responsáveis pela popularização dos carros japoneses antigos são homens de trinta e poucos anos que cresceram andando em um deles. Imai se lembra que seus tios trabalhavam e apostavam corridas com um Datsun 510 e um 240Z quando ele era criança.


Datsun 510 1971

"Quando você tem carros que já foram comuns, você tem uma relação afetiva com eles", comentou Brian Thompson, projetista da Nissan no Japão e nos Estados Unidos entre 2001 e 2009. "Eles fazem parte da sua vida como um animal de estimação ou um membro da família." Thompson atualmente trabalha como projetista para a Volvo. Ele comentou que o carro de seus pais, um furgão Tercel da Toyota fabricado em 1983, foi a inspiração por trás da escolha de sua carreira.


Toyota Tercel SR5 Hatchback 1979

Para Hsu, o interesse pelos carros dessa era foi despertado enquanto ele fazia uma conexão em um aeroporto próximo a Tóquio, durante uma viagem para Taiwan. "Eu saí por alguns segundos e lá estavam os carros mais legais que eu já havia visto", afirmou. "Eram carros que eu nem sabia que existiam. Eles me deixaram louco."

Hsu criou o site Japanese Nostalgic Car com seu irmão Dan, em 2006. Eles começaram a publicar as edições trimestrais de sua revista dois anos mais tarde. Hsu afirmou que a moda dos automóveis nostálgicos nos Estados Unidos faz parte do furor em torno dos carros tunados importados do Japão, que começou nos anos 1990 e atingiu o seu ápice com a série de filmes "Velozes e Furiosos".

A moda se tornou ainda mais intensa durante os anos 2000, quando aumentou o interesse por carros de competição feitos para o mercado japonês (com direito a seu próprio movimento, conhecido como JDM, sigla em inglês de "Mercado Nacional Japonês").

"As pessoas realmente queriam saber o que os japoneses estavam fazendo", afirmou Hsu. "E a moda no Japão era o drifting." O drifting se tornou um esporte motorizado profissional no Japão no ano 2000 e tem o mesmo espírito das ruas que as corridas de Dragster. Mas, ao invés de correr a grandes velocidades em uma longa linha reta, no drifting os pilotos deslizam com seus carros ao redor de curvas fechadas, levantando grandes cortinas de fumaça com seus pneus. Para que isso seja possível, o carro precisa ser leve e, principalmente, ter tração traseira.

"As empresas japonesas não estavam construindo carros com tração traseira, a menos que eles fossem carros de luxo", afirmou Hsu, explicando por que os competidores recorreram a modelos como o Toyota Corolla GT-S e o Nissan 240SX dos anos 1980. Hsu é proprietário de um Toyota Corolla GT-S fabricado em 1986.


Toyota Corolla GT-S 1986

"Ele tem todas as vantagens de um carro de competição: twin-cam, 16 válvulas, tração traseira com um diferencial de deslizamento limitado", contou. "Para mim, esse é o pacote de performance ideal. O carro é leve, tem ótima dirigibilidade e seu motor chega a 7.500 RPM".

O Corolla GT-S "era a droga de entrada" no mundo dos automóveis nostálgicos, contou Hsu. Ele também deu outros exemplos populares, como a primeira geração do Toyota Celica, o Honda N600 e o Civic CVCC, além de diversos Mazdas como o RX-2, o RX-3 e a primeira geração do RX-7.

Muitos fãs dos automóveis nostálgicos modificam o motor e a suspensão de seus carros e instalam peças feitas para os modelos que eram fabricados exclusivamente para o mercado japonês. Mas o apelo em torno dos carros japoneses antigos não se baseia apenas em seu desempenho nas competições.

Tloupas, cuja revista fez uma parceria com a Honda no ano passado para customizar um CR-Z, disse que sempre se interessou pelo design japonês. "O desenho dos carros é excêntrico", afirmou.

Thompson explicou que os designers japoneses ainda estavam procurando por sua estética, assim como as montadoras chinesas hoje. Eles imitavam as formas existentes.

"Veja vários dos carros populares japoneses do início da década de 1970", comentou. "Com frequência, eles eram reinterpretações de carros americanos dos anos 60. Mas, como não tinham as mesmas proporções, o resultado era bem estranho."

As fabricantes nem sempre erravam no desenho de seus carros. O Datsun 240Z era popular desde seu lançamento em 1970. O Datsun 510 serviu de plataforma para carros de corrida por décadas. Além disso, as caminhonetes japonesas são famosas por sua durabilidade. Não é tão difícil encontrar exemplares com quase 500.000 quilômetros rodados.


1970 Datsun 240Z

Este ano, a Hot Wheels lançou duas miniaturas em escala 1:43 de carros antigos japoneses, o modelo de 1971 do Nissan Skyline 2000GT-X e o modelo de 1973 do Nissan Skyline 2000GT-R. No Japão, eles são equivalentes ao Bel Air ou ao Corvette, mas nenhum deles foi comercializado nos Estados Unidos na época de seu lançamento.

Os Skylines são muito raros, mesmo no Japão, e são caríssimos. Sobre o Skyline 1971, Imai afirmou: "Do ponto de vista cultural, você pode notar que esse modelo está aparecendo em muitos filmes e vídeo games nos últimos tempos".

Outro modelo, o Toyota 2000GT, é considerado por muitos como o supercarro japonês. Apenas um número limitado desses carros foi vendido nos Estados Unidos e eles são avaliados em mais de US$ 400 mil pelos guias de colecionadores de carros. Um modelo de corrida do 2000GT está à venda por US$ 1,7 milhão;

Contudo, a maior parte dos carros japoneses antigos continua sendo vendida a preços módicos. No site eBay, um Honda Civic CVCC 5 marchas de 1976, com cerca de 95.000 quilômetros rodados, foi vendido por US$ 3,5 mil. Um Corolla SR5 de 1977, com cerca de 88.500 quilômetros rodados, foi vendido por US$ 4 mil.

Esses preços parecem um pouco altos para compactos japoneses com 35 anos de idade, já que são basicamente os mesmos preços de quando eram novos, mas são baixos se compararmos com um Alfa Romeo ou um Camaro antigo.

Agora, os proprietários sabem que há muito interesse por seus carros e já não estão se desfazendo deles com tanta facilidade."Há muita gente por aí", comentou Hsu. "Essas pessoas têm carros com baixíssima quilometragem, completamente originais, escondidos em garagens espalhadas por todo o país."

Notícias Relacionadas

Carros Antigos Japoneses – Onde estão eles?
Carros Antigos Japoneses – Onde Estão Eles? – Parte II

Publicado em: 17/2/2012
Fonte: Portal IG

Compartilhe com seus amigos:

Voltar para Página Anterior:

707





Ônibus para Locação
Ônibus para Locação


Mercado Livre




Associe-se
Rede de Benefícios


Anuncie Grátis

Área do Anunciante
Classificados
Eventos
Notícias
Eventos CCA
CCA na Mídia
Dúvidas e Sugestões
Veículos para Locação
Veículos Antigos Roubados
Indique

Facebook Clube do Carro Antigo

Siga-nos no Twitter

Dodge, Polara Gl, 1981, Marrom Calcutá
Lote de Peças
Chevrolet, Monza, SLE Sedan, 1986, Cinza
Mercedes Benz, 560 Sl, 1988, Vermelha

Locação de veiculos antigos para eventos, publicidade, fotografia








----------------

Empresas Apoiadoras
Logos dos Apoiadores